Sérgio Campos

 

(1941-1994)

 

 

                    [ mar de sempre ]

Êxule na Caledônia
ouço a música de teu tear
sou teu fuso de farpas

sou os sulcos de teu rosto
a toca de tua paciência
sou teu hóspede mudo


                  
Meu exílio é te esperar

 

 

            [ regresso]

Por dezesseis dias e dezessete noites
ouço o marulho das águas a viajar

             Ítaca distância
             Calipso memória

Eu
Odisseu
      rei
        filho de rei
regresso de Tróia à aldeia de cabras
minha pátria de herói
feita burgo fenício

Navego sob um manto de seda
estendido por Ino sobre Jônio
Trago as armas do espólio de aquiles
as sandálias e o cajado de atena
      pois ignoto serei

           Regresso por amor
           e isto me cumpre

Verá a praia o herói que adormeceu?
aportarei em Fócis?
Que Ítaca encontrarei?

 

 

                          Lúcio

              Permaneces
              argila e rumor
              véspera do incriado

                          pômulo de Âmbar
                          na mesa das prendas

              Permaneces
              alvenaria do abril
              no mundo manual
              hera que prepara
              a máscara de orfeu

                        pois somos
                        o que inventamos

             Última flor do Lácio
                   permaneces
             eis que precedes
             à geração do ícones

                       como o pássaro
                       antecede a manhã

             Última flor do Lácio
             - foste a flor de Lúcio
             menos que bela
             acesa e ensandecida

             Última flor de Lúcio
             assassinada a casa
                  permaneces

             franja que farfalha
             entre portais

 

 

Música: Sonata Claro de Luna, de Beethoven

Voltar