RAUL SEIXAS

 

(1945-1989)

 

Minha ostentação inútil...

 

Minha ostentação inútil

Esbofeteia o poeta ou-seja-lá-o-que-sou

Não estou morrendo

Só estou lá...

sendo

Cada vez que abro os olhos

Sei que devo pular dos lençóis para ser.

Ser

Forte como um forte é.

Essa jaula que sou

Jaula que guarda dois outros que sã.

Ele: o leão faminto e...

O astronauta vagabundo do cosmo.

Enquanto preso, sonho domingos lácteos

O leão ruge alto interrompendo...

interrompendo... me acordando

pra seu sonho-selvoso

E a jaula se mexe

Se remexe

Se terremota com a possibilidade de ruir!

Dar-fuga-a-um-de-nós.

A: eu-do-que-sigo-estradas...

estradas que existem ou não!

Ou

AO: leão da terra!

Enquanto...

A lua gora me assovia um psiu - psiu - psiu

Do leão que está em mim pouco sei

Está lá! Mas... a lua me chama!




Paranóia


Quando esqueço a hora de dormir
De repente chega o amanhecer
Sinto uma culpa que eu não sei de quê
Pergunto o que é que eu fiz?
Meu coração não diz
Eu sinto medo
Eu sinto medo
Se eu vejo um papel qualquer no chão
Tremo, corro e apanho pra esconder
Medo de ter sido uma anotação que eu fiz
Que não se possa ler!
Eu gosto de escrever
Mas sinto medo
Eu sinto medo
Tinha tanto medo de sair da cama à noite
Pro banheiro
Medo de saber que não estava ali sozinho
Porque sempre, sempre, sempre...
Eu estava com Deus
Minha mãe me disse há um tempo atrás
Onde você for, Deus vai atrás
Deus vê sempre tudo que cê faz
Mas eu não via Deus
Achava assombração
Eu tinha medo
E eu tinha medo
Vacilava sempre a ficar nu lá no chuveiro com vergonha
Com vergonha de saber que tinha alguém ali comigo
Vendo fazer tudo que se faz dentro do banheiro
Vendo fazer tudo que se faz dentro do banheiro
Dedico essa canção
Para Nóia
Com amor e com medo
Com amor e com medo

 

Música: artist_whitakermonarch_sh.mid

Voltar