J. G. DE ARAÚJO JORGE

 

(1914-1987)

 

Os versos que te dou

Ouve estes versos que te dou, eu
os fiz hoje que sinto o coração contente
enquanto teu amor for meu somente,
eu farei versos...e serei feliz...

E hei de fazê-los pela vida afora,
versos de sonho e de amor, e hei depois
relembrar o passado de nós dois...
esse passado que começa agora...

Estes versos repletos de ternura são
versos meus, mas que são teus, também...
Sozinha, hás de escutá-los sem ninguém que
possa perturbar vossa ventura...

Quando o tempo branquear os teus cabelos
hás de um dia mais tarde, revivê-los nas
lembranças que a vida não desfez...

E ao lê-los...com saudade em tua dor...
hás de rever, chorando, o nosso amor,
hás de lembrar, também, de quem os fez...

Se nesse tempo eu já tiver partido e
outros versos quiseres, teu pedido deixa
ao lado da cruz para onde eu vou...

Quando lá novamente, então tu fores,
pode colher do chão todas as flores, pois
são os versos de amor que ainda te dou.



SENTIDO


Que adiantam os caminhos livres e sinuosos
como convites à fuga, à liberdade,
aos infinitos gozos,
- e o céu, e a terra, e o mar?

A verdade
é que arrasto em meus pés invisíveis algemas,
e em vão clamo e protesto a minha dor, em poemas...
- posso apenas sonhar!




LITURGIA

Minha catedral é a Noite com os vitrais surrealistas das nebulosas,
ciclópicos vitrais!
- e os feixes claros do luar são o espírito ático de colunas imateriais,
sustentando fantásticas ogivas;
o altar são as montanhas; as estrelas são lâmpadas votivas
sempre trêmulas, sempre vivas,
acesas toda noite para velar as imagens que rondam cá em baixo
na terra...

E o meu deus, - não tenho deus!... mas nessa extraordinária religião,
quando me faço um missionário,
o Sol, - é esse deus humanitário
onde tudo se encerra,
rezando para todos os homens a missa campal do dia
dos que trabalham a terra!

Nessa verdade eu creio, com essa luz eu me aqueço,
com esse verbo me embalo,
os meus símbolos são os pássaros, as nuvens, os ventos, as fontes,
que são livres!
- e os horizontes!

- É esse o idioma que falo!

 

Música: Vozes no Mar, com Madredeus

Voltar