Sara

Ligi@Tomarchio®


Atrás do vidro
moído coração
construindo sonhos
templo destruído.

Findo o tempo
sem asas voa
cego e apaixonado
procurando orações
no altar da vida.

Percorrido o caminho
muitos muros escuros
becos secretos
retidão no pensamento.

Mão na boca
um beijo perdido
carinho aprisionado
explode em lágrimas secas.

Secreto, porém grande
sentimento busca dor
em deuses e altares
rosas, cores, perfumes.

Doce presença plácida
fragilidade interna
interrompe rumo certo
acredita forte
na imagem ideal.

Descendente certa
acorrentada na vida
correnteza de amor
explode em rochas
incandescentes tochas
emoções remotas.

Sob o luar encontro
restos de medo e dor
redemoinho de emoções
rostos assustados.

Fotografada a sorte
nada resta a fazer
ora ensinar ora aprender
rezar e agradecer
a dádiva recebida.

Futuro promissor
retém pretérito
presente iluminado.

Clara a manhã
enaltece âmago
pleno de amores
sabedoria eterna.

Ternura, loucura...moça agora!

Carrega o rio, o mar, a laguna...
Empresta o verde, o amarelo, o azul...
Sente odores, perfumes, calor...

*Escrevi este poema para minha filha Sara,

há algum tempo e agora ela é mamãe de Ágata (02/04/2005) e Caio (19/08/2006).*

 

Música: Forrest Gump

 

*Obrigada querida amiga Rivkah

pelo plano de fundo.

Voltar Homenagens                          Voltar Poemas

Editado por Ligi@Tomarchio®