O DESPERTAR
à Anna Paes

Ligi@Tomarchio®



Escondida numa ostra
envolta pelo nácar
refletida sua dor
as lágrimas, tornam-se pérolas.

Vida sofrida
rebento doente e amado
nem pérolas comprariam
sua dedicação e entrega.

Sofre, vive, cuida,
socorre, dorme, come,
sonha, chora
enlouquece...
AMA!

Mágica, a ostra se abre.
Surge a mulher linda
qual sereia azulada
não mais na clausura...

Natureza poderosa a libertou!
Compreendeu o caminho
viu seu reflexo e não chorou
feliz está por ainda amar.

Não se esconde mais, no mar
dos sonhos e pesadelos.
Despertou para a arte de viver
recolheu sabedoria das águas...


SP/19/02/2006 - 02:31

 

*Poema inspirado na arte digital de

Anna Paes.

 

 

Música: Hijo de la Luna, de José María Cano

 

 

Voltar Homenagens         Volta Poemas

 

Editado por Ligi@Tomarchio®