Marés
Ligi@Tomarchio®

Horizonte azul permanece
inocente, delicia as brumas
murmurantes, sem questionar
a pureza do ser que renasce.

Escaldantes grãos cristalinos
refletem o infinito transparente
desnuda sonhos e ilusões
(utopia) dos que vivem.

Frente a grandes torres de concreto
coloridas e brilhantes
o mar soberano
ali permanece, irriquieto.

Ondas deslizam perenes
vozes soam perdidas
no ar quente, solar
surfista baila.

Morro verde imponente
arraigado e firme
transcende utópico
o desejo de ser andante.

Unindo-se às águas
atravessando o asfalto
cobriria toda areia
de verdes pensamentos.

O mar com certeza
romperia barreiras interiores
abriria os braços
à natureza divina.

Através da retina do Sol
olhares se perdem
aquecem corpos desnudos
queimam ilusões impertinentes.

Caminhando sobre o mar
brancas nuvens dissipam
osfrésicos sonhadores
lânguidos olhares perdidos.
 

 

Música: Sound of Silence, by Paul Simon and Garfunkel

 

 

Voltar Menu

 

Editado por Ligi@Tomarchio®