FLOR DA TRISTEZA
Ligi@Tomarchio®



Quanta melancolia degustei
osfrésica que sou,
todos odores da tristeza senti
pensei que fossem flores...

Rasgado coração
sem esperança de um grão apenas
da semente da alegria
chorava em vão
lágrimas de sangue.

Abissal futuro insano
da terra levarei nem o nome
apenas escaravelhos irão me reconhecer
saboreando minha derrota.

Devotada insanidade do poeta
escreve as palavras sem entendê-las
ou as percebe absurdas
e persiste na solidão do anonimato.

Não vou falar de amor e salvação
procurar ainda é o sonho
o inconsciente já cônscio
desdenha os saberes da alma
procura os mistérios do ser.

 

Música: Libertango

 

 

 

Voltar Menu

 

 

Editado por Ligi@Tomarchio®