Carnaval
Ligi@Tomarchio®


Carnaval de idéias
místicas tradições culturais remotas
carrosséis turbinados tecnológicos
nada lembra o passado.

História perdida no baú do esquecimento
passistas, porta-bandeiras, baianas,
baterias, alas de frente,
desfilam a falta da tradição perdida.

Sem mérito, moral, todos pagãos
reinventam a grande festa afro-brasileira
visitada por vários mundos distantes
fascinados pela sensualidade tropical.

Exibem aos forasteiros alucinados
estridentes sons e gestos sensuais
fantasias de anjos, deuses, animais
versejam cantos exóticos
perseveram no seu intento de entreter.

Um povo carente de educação e cultura
onde a fome, o tráfico e a impunidade imperam
financiados pelos donos do Brasil
expõem seus destaques seminus.

Sobre alegorias flutuantes milionárias
frenéticos corpos sedentos de sexo
dançam, rebolam, estrebucham
com a ausência de justiça social e igualdade de direitos.

Revolta minha envolta de espanto
vendo tanta dor e miséria periférica
vejo apenas mascarados qual bandidos
ladrões da dignidade e da poesia.

Com trabalho o ano inteiro
muitos sobrevivem da festividade pagã.
Pessoas religiosas, famílias unidas
na costura desses fardos da sociedade decadente.

Reflexos podem ser vistos
nos periódicos jornalísticos
do exibicionismo pernicioso
das rainhas e reis do Carnaval.

Súditos encharcados e bêbados
acometidos de loucura oportunista
digladiam-se por uma chance
de ao menos por alguns instantes
participarem de blocos fantasiados de alegria.

Sentem-se assim, menos miseráveis
e até cidadãos da pátria mãe gentil
entregue aos estrangeiros da guerra.

Pactuar com essa Babel
retroceder às medievais barbáries
não fará de mim alguém mais feliz...

Apenas uma brasileira envergonhada
pelas injustiças da pirâmide social
onde todos desmoronam
a cada quarta-feira de cinzas...



 


*Midi: "Vai Passar"(Autoria e interpretação de Chico Buarque)*

 

 

Voltar Menu

 

 

 

 

Art by Ligi@Tomarchio®