Vanderli  Medeiros

Vanderli Medeiros reside em Barra do Garças (MT). Divorciada, professora formada em História pela FESB ( Faculdade de Estudos Sociais de Barra do Garças) , pesquisadora pela UFMT ( Universidade Federal de Mato Grosso - Campus Universitário Pontal do Araguaia), Membro do Sindicato dos Escritores do Distrito Federal, poetisa, escritora e Webmaster. O romantismo, a sensualidade, as denúncias sociais, a ecologia e o ser humano em geral fazem parte do seu universo poético. Defensora dos direitos autorais. Também se destaca como webmaster e foi premiada em 2004 pela UNESCO - World Poetry.

Sábado à Noite

Era sábado

à noite...

Pizza,

beijos

e sorvetes;

sorvetes

e beijos...



Sábado à noite...

Um programa especial.

Sorver

cada beijo,

cada abraço,

cada olhar de cumplicidade...



Sábado à noite...

Passeio de mãos dadas,

beijos em plena calçada,

Acariciados

pela brisa do rio.



Sentados,

despreocupados do mundo,

em um banco

de praça.



O amor sorvido

gota

a

gota,

beijo

a

beijo,

em um banco

de praça.



Quem já curtiu algo assim

sabe a magia

do amor

de um sábado à noite,

amando-se

em um simples

banco de praça.



Sentimentos vividos,

registrados

no livro oculto da vida,

nos rabiscos bons

que eternizamos no coração.



Sábado à noite:

eu,

você...

Nós

e

um banco de praça!

 

Olhando a Vida pela Janela

Hoje, olhei pela janela e revi minha vida,

vi com assombro como anos se passaram;

pela minha retina desfilava um filme

em preto e branco do que já vivi...

Não percebi a rapidez de como as coisas mudaram;

conceitos, pré-conceitos, amores, valores, pessoas...



Amores que pareciam eternos, se foram,

outros que pareciam passageiros

que perduraram por tempo demais...

Sonhos acalentados, há muito perdidos,

esquecidos no fundo do baú das lembranças envelhecidas...

 

É Tão Fácil

É tão fácil dar 'sábios' conselhos.

É tão fácil ganhar um bom salário,

estar empregado e dizer aos desafortunados:

- Lute, assim como eu, tu também conseguirá.



Nem percebe que o sistema sócio-econômico

não dá, e nem dará, as mesmas chances a todos.

Que apesar da lei dizer que homens e mulheres são iguais

ainda somos marginalizadas, discriminadas, vilipendiadas...



É tão fácil dizer:

- Siga em frente, tudo só depende de ti e de teu pensamento.

Quando se está bem e calçado financeiramente,

não ter que pisar nas pedras pontiagudas de escárnio e dor,

é tão fácil falar de amor...



É tão fácil olhar o próximo do alto

e crer que o mundo é igual para todos,

que dá as mesmas oportunidades,

que a lei é imparcial, que somos todos iguais...



É tão fácil, vivermos com a venda nos olhos

e, não ver o quanto há de pessoas boas

e, até mais meritórias que nós,

sem receber nenhuma chance de progredir,

de ser feliz nesse mundo desigual...



É tão fácil encher o e-mail

ou a caixa postal de alguém com palavras positivas

quando temos a mesa farta,

as contas pagas e grana para ‘curtir’ o mundo...



É tão fácil crer nas utopias,

viver com a venda nos olhos,

crer, somos seres conscientes e justos...



O difícil realmente,

é viver a injustiça e a desigualdade

no dia-a-dia!

 

http://br.geocities.com/vanderlimedeiros/

 

Música: gohst.mid

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®