Soraia Maria Lopes Martins

Nasci em Belo Horizonte. Minas Gerais!! Terra de montanhas que acolhem o luar em seus contornos cintilantes. Por onde a travessia é sempre construída. Minha família é do Serro, cidade histórica de Minas. Terra linda, no alto azul do Espinhaço. Cidade de afetos eternos.
Moro em Governador Valadares. Aqui tem o Pico do Ibituruna e homens no céu a voar. Alados e encantados. Aqui também tem luar.

Graduada em Pedagogia, Pós Graduada em Psicopedagogia. Pós Graduada em Psicanálise e Saúde Mental. Sou também uma profissional. Estudante do Primeiro Período de Direito.

Poeta desde sempre. Sou uma mulher simples e gosto de escrever. Gosto dos significantes e dos significados, nunca esgotados. Por si só falam pouco, sempre deixando espaço para o mistério - magia da vida. Escrever, para mim, é a única possibilidade de ser. Meu encontro perfeito. Via por onde meu coração transcende e transgride, sem risco de parar. Um veio, uma veia. Sangue a correr e a brotar. Vida!

Sou casada, sou mãe de dois filhos homens.

Sou uma mulher que, na poesia, encontrou um Girassol, um Lírio brando. Um novo caminho a caminhar... Sempre a trilhar e a encontrar...

Soraia Maria

Encontro

Teu corpo nu
Formas ousadas
Teu cheiro de Pecado
Sabor sagrado
Tuas pernas enlaçam
Meu corpo violado
Tua voz sussurra
Pedidos secretos
Tua mão aquece
Prazeres incorretos
Encontro perfeito

 

 Exclusividade

Corpo molhado à distância
Olhos macios fragrância
Afeto acaricia os seios
Verão no coração
Poesia do momento
Cá dentro inquietação
Toque de vida - alimento
Inundada dessa emoção
Por seu dentro no meu dentro
No pulsar de nossos movimentos
Visitei a eternidade
Abracei o infinito
No pulo que rompeu o vácuo contido
No dançar do olhar que baila
Meu corpo volta a vibrar
A mulher seus olhos vai abraçar
Para sempre nos terá
Exclusividade de sonhar

 

Bem vinda!

Chegou assim...
Menina sofrida...
De palavras feridas na vida contida

Chegou sangrando asas encolhidas
Da vida bandida
Dos desejos insanos

Chegou cantando o silêncio das verdades não ditas
Das vontades paridas
Dos sonhos sagrados

Está tão abatida...
Roubaram-lhe a paz
Arrancaram-lhe a alma

Rasgaram seus olhos
Taparam seus ouvidos
Amordaçaram sua boca

Chegou assim...
Mulher fortalecida...
Da vida construída

Chegou gritando possibilidades
Construindo pontes
Abrindo caminhos

Chegou na noite fria
Aquecendo a brasa esquecida
Abandonada na partida

Reinventando palavras
Criando sons
Fitando o infinito...

Pisou o solo fértil
Onde a vida se inscreve
Onde a gente cresce...

 

http://www.ebooks.avbl.com.br/biblioteca3/soraiamaria.htm

 

Música: Tema do Filme Seven Years in Tibet

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®