Plínio  Sgarbi

Plínio Sgarbi, natural de Jaú, interior do Estado de São Paulo, cidade onde nasceu a poeta Hilda Hilst e João Ribeiro de Barros, herói nacional, primeiro homem a atravessar o atlântico num vôo sem escalas.
Mais... click nos links abaixo:
Entrevista para o Jornal Comércio do Jahu:
http://www.recantodasletras.com.br/entrevistas/257239
Entrevista para o site da Escritora "Clevane Pessoa":
http://www.recantodasletras.com.br/entrevistas/257238

 

Amar um dia


Repousei pelas manhãs ensolaradas
e perfumadas da primavera

Nas quentes e tempestuosas
tardes de verão, vadiei

Foram minhas rondas pelas enluaradas
ou chuvosas madrugadas de outono
Fui viajante nas geladas noites de inverno

Pela luz dourada da lua
Pelo prateado brilho das estrelas

Ao gelado vento cortante
e também, da chuva
seus pingos penetrante

Um Neruda como presente
na ausência, uma procura
Na memória coleciono
algumas lágrimas que vi rolarem pela face as marcas
a doçura do riso criança com seis anos
o jeito anjo-doutora de moça senhora

E o que tudo mais que a vida fascina
encontrar você talvez fosse minha sina
E antes que o sufoco faça meu peito explodir
eu só queria que você soubesse
Hoje, eu tenho um sonho

Plínio Sgarbi

Versione per l'italiano _ Rosaria Marra (São Paulo - Brasil)
http://www.domist.net/a2005/W542SGARBIaamare.htm

Version for the English _ Maria Petronilho (Lisboa -Portugal)
http://www.domist.net/inglese/Z066SGARBIeng.htm

 

Revela-me Chama

Tudo que tenho agora é o surto continuo
querer sempre olhar para o belo rosto
que me faz devanear na busca do lume
que brilha no verde absoluto de lindos olhos
no inflamado vermelho dos lábios sensuais.
É esta a chama que produz fausta e delicada luz.
Inspira-me. Revela-me chama ainda mais bela, é Ela
Fonte dos meus versos que passeiam
na solidão de meu universo
Pousa poeira temporal
dos fragmentos de pensamentos
pintados em arco-íris com mais de mil cores
Sonhos, acréscimos de sensibilidades
Não objeto abandono apelação da carência
E sim, a árbitra lei da absoluta vontade
dos corpos ocuparem o mesmo lugar no espaço
em justa harmonia surpreendida pela alegria
dos suspiros de ardentes arrepios
provocados pelos mais de mil tremores
de tanto querer provar o gosto
da gula de mais de mil sabores
Entre águas e chás dos perfumes
de mais de mil flores
Como búzios e conchas
talvez nunca jamais houve
sentimento semelhante
entre mais de mil amores

Plínio Sgarbi

 

Passagens

Como pode o sol brilhar
com a chuva riscando o céu?
Despreocupadamente
na correnteza de tenros anos
navega o barquinho de papel
De repente, chega aos trinta com disposição
espantando a solidão querendo atracar
no porto das posições
Conquistar espaços, afirmar
marcar território, autenticar a firma
Num cartório uma aliança achar
consumir preocupações
Anos trás trinta e cinco
perder o saldo no balanço
dos cinco passados
rumo aos cinco futuros
equilibrando-se na bicicleta das ilusões
pedalando emoções
assobiando esquecimentos ao ritmo
de rain drops keep falling on my head
Sucessos e fracassos na coleção
Curvas e retas a encarar!
Visão em meio de névoas
redundantemente turvas
e aí, aparecem os quarenta
Oh céus! Clemência !
Que tarda os cinqüenta e a previdência!
Querer agora prender o tempo
para da lembrança não fugir
o vestido vermelho da Marilyn
voando na altura dos joelhos
a cavalgada das valquirias
o gosto da sopa de fubá
com broto de cambuquira
Que se danem os deveres a cumprir!
Ainda a sonhar com a liberdade
acordar com o som
dos baladangãs da Carmem
Gozar um prazer e de novo, acender o pavio
Vem comigo ficar barco, não virar navio
amar um dia, vamos ler mais poesias

Plínio Sgarbi

http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=2250

 

Música: Ballade Nº1 in G Minor, Op. 23, de Chopin

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®