Ógui Lourenço Mauri

Nasceu em Irapuã (SP), a 10/08/1942. Vive atualmente em Catanduva (SP), para onde transferiu residência, ainda adolescente, para dar prosseguimento aos estudos. Mais tarde, deixou a cidade por alguns anos para se realizar profissionalmente. Retornou em 1992; não sabe dizer, porém, se definitivamente. É formado em Contabilidade e Administração de Empresas, fez carreira no Banco do Brasil S.A., onde ingressou, em 1964, por concurso público, e ali se aposentou como Gerente Geral de Agência. Como bancário, exerceu paralelamente, durante vários anos e em horário noturno, a atividade de Professor de Contabilidade, Estatística e Língua Portuguesa. Talvez pelo fato de dar aulas de Português, sempre se interessou pela leitura de bons livros, revelando, inclusive, certa aptidão para a crítica literária. Somente mais tarde, com a chegada da Internet, começou a escrever poesias, incentivado por amigos, em especial pela poeta Marilena Trujillo. Não pensa em editar livros. Tem firmes propósitos, porém, de aproveitar suas atividades na Internet -- escrevendo poesias e intercambiando idéias -- para promover a amizade sadia entre os povos e, ainda, ampliar a bagagem cultural; tanto a sua como a de seus amigos. Tem sido jurado permanente em "A Grande Chance", site de concursos literários de âmbito internacional.

Vamos Dar As Mãos, Internautas!

Não!... Não foi este o Mundo Virtual
que tempos atrás me deu boas-vindas!...
Tenho saudade daquelas atitudes lindas,
predominantes no relacionamento pessoal.

Não havia este bulício no ambiente cibernético,
prevalecia a amizade em todas as situações,
as mensagens sadias aproximavam corações,
num intercâmbio menos ríspido e mais poético.

Vamos dar as mãos e retomar a fraternidade,
devolver ao contato virtual o instrumento de paz,
reeducar o internauta como um mediador eficaz
para acabar com os conflitos e tanta atrocidade.

Façamos desta rede universal uma grande corrente.
Vamos dar as mãos!... A amizade pede passagem!
Deixemos a crítica contumaz em prol da homenagem.
Abaixo a maledicência, tão em voga, ultimamente!

Com toda certeza, não foi este o Mundo Virtual
que nos deu tantos amigos logo à nossa chegada.
A nave está fora de rota e a tripulação desnorteada,
queremos a paz de novo, tudo voltando ao normal!

 

MINHA MÃE... UMA SAUDADE!

Mamãe, sinto-me tão órfão e solitário,
um vazio me deixa triste e sem ação...
Em meu íntimo, choro muito de emoção
à chegada do Dia das Mães no calendário.

Como eu gostaria de ter o compromisso
de ainda ir à loja e comprar o teu presente,
de passar a teu lado um domingo diferente,
e de muitos dias antes, feliz, só pensar nisso.

Saudoso, ainda me lembro de tuas reações,
de teu choro de alegria, com gestos todos teus,
diante da vasta prole, abençoada por Deus,
cenas já sem reprise; hoje meras recordações.

Como era fácil teu sorriso a qualquer piada,
mesmo das sem graça que um dos filhos dizia;
que saudade da família reunida com alegria,
que vontade de saborear tua macarronada!...

No Dia das Mães, agora só me resta um afazer,
levar flores à tua campa, numa esporádica visita,
beijar aquela tua foto, de mirada meiga e bonita,
ritual que vai se repetir enquanto eu não morrer.

 

PAPAI NOEL, ESTE ANO SERÁ DIFERENTE?

Papai Noel, eu ainda me lembro bem...
Ano passado, aguardei em vão teu presente,
espero que desta vez seja diferente,
que me consideres um teu filho também...

Papai Noel, tu precisas me explicar
por que só compareces às casas bonitas,
sendo ali infalível com tuas visitas,
enquanto te esqueces das crianças sem lar.

Ter dia marcado para ganhar presente,
eis, Papai Noel, uma tradição nociva...
Que a todas as crianças gera expectativa,
mas que contempla as privilegiadas somente.

Eu desconfio de que não vai mudar nada...
Desde o outro Natal, a vida só piorou,
não conheço meu pai, mamãe me abandonou,
integro a classe da infância desamparada.

Mas eu tenho alguma esperança, mesmo assim,
de ir à praça, poder me banhar na fonte
e esperar ansioso, debaixo da ponte,
chegar Papai Noel com presente pra mim.

 

Música: alguemco2.mid

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®