José Roberto Abib

Nascido em Campinas, no mês de maio.
Sou da década de 50.
Capivariano por seqüência direta e adoção natural.
Técnico Tributário da Fazenda Estadual há 19 anos.
Apreciador das artes em geral, da comunicação, e da natureza.
Considero-me um humanista de nascimento.
Religioso por formação e instinto.
Colaborador, há 26 anos, do jornal Correio de Capivari.
Valorizo o conhecimento, a experiência, a cultura, o discernimento e, mais ainda, os sentimentos.
Sonhador e progressista ao mesmo tempo.
Amo a vida, a paz e a felicidade.

Geometria do querer

Círculos claros
Jamais circunspetos
Sempre côncavos
E também convexos,
Elos de convergência
Entre faces queridas
Que no alívio das dores banidas
Geram as almas libertas
De alegria exultantes
No coração que,
Sonha amando
Ama sonhando
Mãos que se dão
Em trajeto único
Sem direção
Pela vida afora
Pelo tempo adentro
Pela paixão que enamora
Pelo desejo que ultrapassa
A mesmice alinhavante
De uma geometria constante
Que perpetua o querer
Em linhas absolutamente retas
Para todo o sempre.

 

Contradição

Sou, ao mesmo tempo o nada
que a si próprio procura
o pouco que em si não se basta
a força que de si necessita
a luz de nossas esperanças
o som do coração.
sou aquele que no tempo,
buscou existir
seus deveres cumprir
das falhas se redimir
e, para o amor,
jamais me extinguir
renasci a cada manhã
e, em estado de paz,
de ti me fiz:
amigo, amado, amante enamorado.
agora, não mais preciso sonhar
pois tirastes as marcas
de um errôneo pensar
viestes a mim,
tirando-me do pouco que fui, e,
permitindo-me ao muito chegar
chegastes enfim,
Para ensinar-me a amar.

 

desejo

que a saudade morra em meu peito
me abandone
e me deixe
de mim mesmo, refeito,
quando na insuspeição do amor não ferido
muito quis, tanto alcançar
agora que tudo mudou
dos prazerosos sonhos
o gosto amargo restou
nestas lembranças refeitas
ao sabor do acaso
sinto que em minh'alma calou
a palavra dorida
dos ideais dourados, parida,
desferiu-me golpe cruel
quando na noite fria
a te esperar
vi passarem as nuvens
assoviarem os ventos
descolorir-se o luar
e mais restar, alguns lamentos
foi a vez de chorar
a dor, neste desejo latente,
nascido, urgente,
contudo, amargurante
incluso e difuso
sem tanta razão de ser
essa vontade imensa
de te amar,
este desejo louco,
de simplesmente te querer

 

jrabib@dglnet.com.br

http://www.contos.poesias.nom.br/poemasdejrobertoabib/poemasdejrobertoabib.htm

http://www.yaranazare.com/abibpoesias.htm

*Clique abaixo para conhecer mais um poema do autor.*

"Só"

(Presente da "Formatadora de Sonhos",

para José Roberto Abib)

 

Música: Paradise, by Vangelis

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®