Francisco Barros Cascalhar (Chankecham)

Fantasia-II

To intenso era o brilho de aquela estrela,
que me cegou e este corpo cansado no teve
outra alternativa que pousar em lugar desconhecido,
sem nome visivel,nem corpo palpavel.
Ali tinha moitas e inusitadas formas de vida,tantas
que desconcertado entrei num bazar donde se
ofereciam em corpo e alma bonecas sedutoras para
todos os gostos. Olhei tanto e quanto um curioso
em pais extico costuma fazer, e reparei numha
que s tinha o teu nome, no tinha rosto nem corpo,
digamos que era invissivel e que com ela fiquei.
As outras to belas e sedutoras no me atraiam.
Foi o teu embrujo quem me seduciu, cree-me.
Oh bela sem rosto!proba disso que quando
te toquei meu corpo se excitou atal ponto que
senti teus labios nos meus a sugar meu alento
e quando meus dentes tocarom com ternura
o pmulo da tua caprichosa orelha, escutei
extasiado o bruar dum mar enfurecido pola
paixo. Foi ento quando reparei que tinha
nos meus braos a mulher dos meus sonhos.
Tanto assim, que continuei, por aquel
corpo invisivel a lamber e sugar como
se fora um sorvete e vai que topo j
com aqueles mamilos de sabor de limo.
Nao quero continuar o meu recorrido
por que aps o umbigo venhem outras
cousas donde montes e mares se
confunden e eu s estou de viagem
por este maravilhoso mundo dos sonhos.
Agora, despois de tanto prazer bou
descansar.Amanh quen sabe se no
me confundirei e quias que no te
atope pois es invisivel, mas polo aroma
que tua alma deixou em mim, inconfudivel
por certo, no me escapars, j que
para mim te quero e se tu me desejas,
que mais se pode pedir??


*De viagem polo mundo dos sonhos
Santiago de Compostela
3/11/2001*

 

 Fantasia-III

Ol minha adorada Feiticeira.
Gratas novas hoje, te vou a contar.
Acabo de atracar al meso, nesse lugar,
no que a graciosa Venus fez seu ninho e
nele achei pousada donde comer e beber
o que quiser e a fartar. Que gostosa comida ,
que molhos e que aroma to grato ao paladar.
Um dia destes ei-te de convidar. D por certo
que hs de comer do meu plato e que nunca mais
doutro vas a gostar. Para mim e para os meus
invitados tudo de graa e nada h que pagar,e
polo carinho gostoso mas o amor que te do e os
extras que no acto te servem,se de entojo ests,
ou por provar, ainda se desfazem em cumplidos
e com caricias pagam, por o feito de mandar.
Assim minha graciosa mensageira dos Cus,
este precioso lugar a donde vim dar, tal que
ainda hoje cansado estou de tanto singrar,
at o triste ponto de que j home no h
nem farrapo de gaita tm pra tocar.
Tal vez se a mm vieres, nas alas do vento,
arroupada do teu esplendor e donosura
sem par, podia-se dar o milagro de qu
como um novo Lzaro viera eu levantar.
Mas tu no vens,no apareces por nengum
lugar e este velho timonel ssinho, para ti
a proa da nave quer,mas no pode enfiar.
Agora j, todas so nboas e nubens negras
que me esto a cercar!Vem a mim. Oh linda
Fada misteriosa!Vem,o meu Co clarejar,
que este servidor a gosto teu, no meu,
te h de despachar e quem sabe se no
querers recuncar!!

 

*De viagem polo mundo dos sonhos
Santiago de Compostela
4/11/2001*

 

Fantasia-V

Parecia umha ilha mas era umha nuve
to bela e acolhedora, que decidi fazer al
o meu ninho com quatro arbustos e um pouco
de erva seca que serviria de leito. Mas, que digo?
Aquelo era umha nuve to macia como um colcho
feito, de espuma de mar.Pensava instalar-me quado a
minha bem amada viera,mas ei-te que j ali minha
espera estava,vestida de Eva, com traje turbador.
Eu, para no ser menos, fardei de Ado luzindo todas
as minhas galas. Para comear o acto, acerquei la
at mim e a instalei no meu colo, de jeito que com ternura
e o maximo de delicadeza fui oferecendo todo o meu tesouro
at encher, sempre suave, seu covisado peto, o que notei
por sua maravilhosa cara de satisfao. Ento j
emocionada, comeou a mover-se presurosa mas eu
calmei-a falandolhe mole e suave que sosegara, que fora
de vagar, vagarcinho, que as cousas gostosas h que
rendelas e assim o fez e estivemos a olhar-nos mentras
tenuamente nossos corpos balanavam como umha
barcarola em placido mar. Agora meu bem, disse,
encosta a tua cabeinha no meu peito e sorrindo
obedeceu,Feliz da vida que se atopava! Voltei a dizer
deija eu fazer, que tenho mais experncia, ou no?
Bem, o teu gemiar prenncio de precipitao.
Dame a sorver teu alento e a sugar teus seios
j tensos como bico de limo. Acalma gatinha,
que estamos a ss e temos todo o tempo do
mundo e sem olhos lascivos a nos espreitar,
Assim com meiguice e quando logo a hora
chegar explodiremos a um tempo, mentres,
degusta os doces aromas de savor a Co
e da msica celestial que nos oferece o vai
e vem do teu badalar. Agora, aperta, grita,
lia-te, no te reprimas que esto o fim.E
assim explodimos, navegando numha nave
pendurada do Co. Logo do climax, veu o
extaxis que me fez lembrar aos incredulos
que sostenhem que o Co no existe!

 

*De viagem polo mundo dos sonhos.
Santiago de Compostela GALOZA
5/11/2001*

*De odas Eterodoxas de Chankecham*

 

http://www.xente.mundo-r.com/iltrovatorechankecham/

 

Santiago de Compostela/Galizia

 

 

Msica: Greens Leeves

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio