Márcia Medici

Beatriz por um triz*

Nas noites de solidão que assolavam a minha vida era preciso um nick para adentrar num mundo mágico, onde o sofrer ficava do outro lado da porta.
Assim nasceu Beatriz por um triz*; um nick inspirado na musica de Chico Buarque e Edu Lobo.
Durante anos caminhei neste teto virtual, lendo cada história triste ou engraçada que me era contada.
Fui escrevendo....levando sempre muito a sério cada frase lida, sabendo que eram frases vindas de outro ser humano com alegrias e desenganos tão semelhantes aos meus.
Márcia Medici, uma paulistana de 51 anos de idade, viúva e mãe de um casal de filhos.
Uma brasileira comum como tantas , que luta com garra por seu pedaço de chão, que chora , sorri e perde a calma .
Que soma seus erros e acertos e os pesa com determinação visando que nunca se equilibrem, que penda a balança sempre para o lado bom.
Uma mulher a caminhar pelos atalhos da vida.
Resignada no sofrer,clamando em versos por justiça, mas sem nenhuma preguiça acreditando sempre no amar.

Beatriz por um triz*

Viajante

Viaja a alma partida
numa fuga destemida
afastando-se, por certo,
das lembranças de sua vida.

Viaja nas sombras da noite
ou nas asas de um novo dia,
rumo a futuros afetos,
sopros da melancolia.

Viaja sem rumo,
sem nexo,
sem hora marcada,
sem rota determinada.

Com passagem só de ida
sangrando na bagagem a ferida,
na velocidade do medo
mas no compasso da vida

Viaja na transparência
de sua doce demência
sem clemência carrega a dor
da falta de seu amor.

 

Espelho meu

A vida me fez uma proposta
mas eu estava indisposta
cuidando de minhas dores
de meus falsos amores
e não lhe dei atenção

Só observei o tempo
ao perceber que o destino
tinha me pregado outra peça
e sem pressa me olhei no espelho
e nele refletia um coração em desatino

a vida passa rápida como um suspiro
as dores que insisti
em carregar comigo
deixaram no caminho
o amor que juramos
levar para a eternidade

o amor passa sem que notemos
e novamente o espelho
vem nos mostrar
que não há como voltar

De que adiantaria saber
se você ainda me espera como prometeu?

De que valeria sonhar?
meus sonhos já não são seus!
O espelho insiste em mostrar
as marcas do passado
emoldurado e pendurado
para sempre na mocidade

Hoje olho o jardim
como se ali houvesse enterrada
uma semente de mim
Cuido para que o milagre aconteça
e que o espelho a reconheça
quando desabrochar enfim.

 

Como presa de um lobo

Como um lobo faminto
devoras meu coração e o despedaças,
partindo á procura de outra caça
sem lamentar o que sinto.
E, o que sinto é a minha desgraça.

Ao aceitar tuas andanças
sangro meu coração,
permitindo contra mim a vingança
de amá-lo, sem esperanças,
numa dança doentia de paixão.

Segue o tempo,
eu já enfraquecida,
retorna o lobo à minha morada
em meu colo o acolho agradecida,
e ainda mais apaixonada.

Mas como fosse destino marcado
o lobo está triste e cansado,
e num beijo demorado
tatua nos lábios meus
a marca do seu adeus.

Se o lobo foi pecador,
nas dores que me causou,
sei também que me amou,
como lhe foi possível amar.

Se a espera foi minha sina,
ainda a cumpro nas noites que a lua ilumina
Seu uivar ecoa em minha insanidade,
como anunciando suas vontades,
e como fosse eu sua presa.

Quando enfim sua ausência me invade,
deixando meu corpo inerte,
indefesa agonizo ante a saudade,
transformando em lenda minha verdade.

 

http://www.crlemberg.com/poeta/beatriz/beatriz.htm

 

 

Música: Quelqu'un ma dit, by Carla Bruni

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®