Antonio Auggusto João

Escrever sempre foi a minha maior alegria, meu universo, minha vida.
As madrugadas são testemunhas desta minha vontade de fazer meu coração se manifestar na forma de versos, com emoção e sinceridade.
Alegrias, tristezas, são conseqüências da vida. Medo, pavor, angústias, eu curo com o antídoto da fé, da esperança e da alegria de viver. Vou continuar escrevendo, me esperem na próxima página, do próximo livro, ou na próxima poesia, no próximo conto... Não sei...

Esperem por mim!

Antonio Auggusto João

Brasil, São Paulo, janeiro de 2.005

 


MEU PRIMEIRO LIVRO




As Crônicas, Os Versos e A Vida, são uma reunião de poesias, poemas e crônicas da minha vida e da sua, que acredita em Deus e no Amor, que guarda no coração os momentos de tristezas e alegrias que a vida nos proporciona. Você irá se emocionar, recordar e se apaixonar nas entrelinhas das crônicas, dos versos...E verá que as nossas vidas reservam momentos especiais que ficam guardados no fundo do coração e da alma, como uma espécie de flor, que ao brotar a primeira pétala, fará correr uma gota de lágrima, que se transforma num grande rio, de tristezas, ou de felicidades.

AS ROSAS SOBRE A MESA
(Elas não vivem mais...)


Os discos, os livros... Estes, não vou deixar você levar,
Não vão lhe fazer falta...
Da cabeceira da cama, pode tirar o teu retrato - Não vou querer recordar.

Quando passar pelo jardim, não deixe rastros sem saídas, não pise fundo nas terras negras,
É de lá que vem a inspiração prós meus versos, pra minha vida...

Não toque os lírios, não machuque as pétalas, deixe de sentir o cheiro dos jasmins...

Ao sair, não bata a porta... Eu não estou vendo a tua ira.
Passando pela sala de estar, junto à mesa de jantar,
Não se esqueça de pegar AS ROSAS SOBRE A MESA... Elas não vivem mais...

Ficaram murchas, (Cresceram-se os espinhos), secaram com o tempo...
Morreram assim como o amor, Que um dia...
Eu e você pensamos ter existido.

 

DO MEU JEITO...

De tanto amar você, assim... Do meu jeito,
Acabei por mal viver,
Vou dizer: Sofrer...
Do meu jeito - O meu jeito de ser.

Se quiser mesmo saber,
Vou dizer: Eu te amo...Te percebo, enlouqueço...Do meu jeito,
Com seu jeito de ser.

Amanhã, quando a tarde cair,
Vou estar com você - No seu mundo.

Vou te olhar bem de perto,
Ensaiar um carinho,
(Quem sabe)... Arriscar um beijinho,
Te puxar pro meu ninho...

Do meu jeito,
Sem pretexto,
Do meu jeito de ser.

 

SONETO DA PREDILEÇÃO

Quando te vejo, em seu vestido

negro - Decotado,
Eu fico hipnotizado - Irado...
Tenho desejo de te dar um beijo, ficar com você...

Se por algum motivo você me abandona,
É como um filme - Um drama... (Prefiro romance),
Nuance...Eu sou vidrado em você.

Quando te abraço - Te amasso,
Eu fico em pedaços - Eu sou louco por você...

E se os dias se vão - Tamanha ilusão, e você não vem...
Sinto um vazio medonho,
Eu fico tristonho, não posso viver sem você...

 

www.auggusto_poeta.zip.net

auggusto@terra.com.br

 

Música: Stairway to haven, by Led Zeppelin

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®