Maria Vilma Matos Peixoto

Nasceu em 18/11/62, em Crateús, pequena cidade do interior do Estado do Ceará - Brasil, filha de João Marques Barbosa e Maria da Conceição de Matos. Aos 18 anos foi morar em Brasília - DF, oportunidade em que trabalhou como recepcionista de anúncios fonados, no Jornal de Brasília, sito no Setor Gráfico.
Retornou a sua cidade natal em 1982, onde concluiu o 2º Grau, ministrou cursos de datilografia na sede do Lions Clube de Crateús, patrocinados pela antiga LBA, SENAC, MOBRAL e outros. No início de 1985, foi morar com seus primos em Fortaleza, em busca de realizar seus sonhos. Desejava arranjar um bom emprego e ingressar na faculdade de Direito.
Em setembro do mesmo ano, conseguiu o emprego sonhado, onde permanece até hoje. Posteriormente, ingressou na Faculdade de Pedagogia da Universidade Estadual Vale do Acaraú, curso este já concluído. Foi nas dependências da faculdade que seu interesse pela poesia foi aguçado, visto que desde a adolescência cultivava o gosto pela escrita.
Como resultado de um trabalho literário na Disciplina "Prática do Ensino" , a poeta criou sua primogênita poesia, intitulada "Ética Pedagógica". O resultado foi tão extasiante e apreciado, que não mais parou de compor. A poeta fala fluentemente Espanhol e está cursando Inglês.
Atualmente estudo na Universidade de fortaleza - UNIFOR faço o Curso de Direito, ou seja estou realizando mais um dos meus projetos de vida.
Adepta da Doutrina Espírita, acredita na reencarnação e na reforma íntima do ser humano. É membro da Academia Feminina de Letras do Ceará - AFELCE.


DISTÂNCIA


Quando ouvimos a palavra “distância”
Relacionamos com
Saudade ou algo desconhecido
Principalmente para aquele que tem
Do outro lado
Um amor sofrido

É bem verdade
Que temos facilidades
E podemos utilizar
O telefone convencional
Ou celular

Se tratando de amor
O bom mesmo é estar ao lado
Mas quando não há outro jeito
O melhor
É dar-se por conformado
Em apenas ouvir a voz
De seu amado

Vilma Matos

 

CONQUISTA

Meu bem querer
Saber gostaria
Como é que entenderia
Que preciso de você

Meu bem querer
É bem verdade que sei
Seu amor, comprometido
Mas, se pouco me importei
Não se importe comigo

Meu bem querer
Estou disposta a dizer
Que te perder, doeria
Prefiro sonhar e crer
Do jeito que eu gostaria .

Vilma Matos

 

O UNIVERSO

Ao observar o universo à noite
Quanta beleza encontrei
Era céu de lua cheia,
Ornamentado de estrelas

Durante o dia o sol se exibia
Como quem diz,
Estou iluminando
Já que sou o astro rei.

A mostrar tanta beleza
Nos rodeia a natureza
Que Deus determinou
Fosse ela comandada
Pelo homem que herdaria
Toda a terra povoada.

Vilma Matos

http://www.caestamosnos.org/vilmamatos/index.htm

 

Música: Annie Song

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®