Macedo Junior - TrovadorPR


Dá um abraço?


De repente deu vontade de um abraço...
Uma vontade de entrelaço, de proximidade...
de amizade... sei lá...
Talvez um aconchego amigo e meigo,
que enfatize a vida e amenize as dores...
Que fale sobre os amores,
seja afetuoso e ao mesmo tempo forte.
Deu vontade, de poder ter saudade de um abraço.
Um abraço que eternize o tempo
e preencha todo espaço...
Mas que faça lembrar do carinho,
que surge, devagarinho,
da magia da união dos corpos,
das auras... sei lá.
Lembrar do calor das mãos,
acariciando as costas a dizer:
- Estou aqui!
Lembrar do enlaçar dos braços,
envolventes e seguros,
afirmando: - Estou com você!.
Lembrar da transfusão de forças,
ou até da suavidade do momento... sei lá...
Então, pensei em como chamar esse abraço:
abraço poesia, abraço força,abraço união,
abraço suavidade, abraço consolo e compreensão,
abraço segurança e justiça, abraço verdade,
abraço cumplicidade?
Mas o que importa é a magia deste abraço!
A fusão de energias, que harmoniza,
integra o todo e se traduz no cosmos,
no tempo e no espaço...
Só sei que agora deu vontade desse abraço.
Um abraço que desate os nós,
transformando-os em envolventes laços.
Que sirva de colo, afastando toda e qualquer angústia.
Que desperte a lágrima de alegria,
e acalme o coração...
Um abraço que traduza a amizade,
o amor e a emoção....
E para um abraço assim ,
Só consegui pensar em você!
Nessa sua energia,
nessa sua sensibilidade,
que sabe entender o por quê,
dessa minha vontade.
Pois então:
Dá logo este abraço!

Macedo Junior (TrovadorPR)

 

Deusa Themis

Deusa Themis. Deusa Themis onde estás?

Atrás dos grilhões da tirania?
Prisioneira dos interesses dos infiéis?
Que não enfrentas esta vilania;
Que não te obedecem nem os quartéis...

Deusa Themis, retira tua venda
E olha para a terra dos mortais.
Não nos abandone nesta escura senda,
Ilumina os juízes e os Tribunais.

Retira também tua espada
E com ela afasta os radicais.
Tanto o que se acha Rei (do nada),
Como os seus insensíveis serviçais.

Põe nos pratos de tua balança,
De um lado: os anseios da sociedade;
E do outro: a necessidade e a realidade,
E verifica quanta desesperança...

Esclarece sobre a virtude da temperança,
E que com o Estado está somente o DEVER,
Que, transitoriamente, foi transmitido em confiança,
Delegado pelos verdadeiros detentores do PODER...

Profere, então, tua sentença,
Condenando todos os interesses pessoais,
Até onde tua divindade alcança,
Banindo a iniqüidade e a desavença...

Trazes, por fim, a almejada Paz...

Deusa Themis. Deusa Themis, onde estás ???


Macedo Jr. (TrovadorPR)

 

Duas Flores

A terra boa é revirada, adubada.
As mãos do jardineiro cavam o chão.
A semente com cuidado é colocada.
Sepultada sob o húmus, sem caixão.
A água da vida é regada,
em instrumento já preparado.
Todos os dias a terra é molhada,
para o acontecimento tão esperado.

O sol aparece trazendo a cor,
bordando com ouro a neblina matinal.
Mas nada ainda, apesar do labor,
no revirado, adubado e cultivado quintal.

O desalento atinge o jardineiro.
No rosto triste a lágrima escorre
e o amor que devia vir por primeiro,
finalmente surge e à semente socorre.

Nasce a vida, num parto sem dor...
Naquele quintal, sobre o chão duro.
Da cor da esperança no futuro.
Fruto do trabalho e do amor...

Em paragens distantes sopra o vento,
derrubando da planta, já podre, o fruto.
O passarinho bica voraz, violento,
estraçalhando a polpa em um minuto.

Naquelas paragens o passarinho
até o penhasco o fruto carrega.
Alimenta os filhotes no ninho,
deixando a semente despencar da macega.

A semente rola, sobre a pedra desliza,
fincando-se no vão da imensa rocha.
Uma raiz surge, a umidade fertiliza,
e na escuridão, a vida brilha como uma tocha.

Na mágica da terra, da força se reveste,
desperta a si mesma, germina,
como se fosse a única, de leste a oeste.
Finalmente brota e a tudo ilumina.

Ali no agreste, no imenso muro,
de uma cor que não se engendra,
nasce a vida sobre a pedra,
fruto do acaso e do escuro...

Uma é solitária, forte e livre como o vento...
A outra cercada de mimos, frágil e cheia de alento...
Qual será a mais bela?
Qual será? Esta ou aquela?

Sob o prisma de igual dilema,
ainda procuro da vida, o tema...
Será a Força? Será o Amor?
Será esta, ou aquela flor?

Macedo Jr. (TrovadorPR)

 

www.trovadorpr.com

 

 

Música: Jeremy Bender, by Emerson, Lake & Palmer

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®