Ruth Olinda Gentil Sivieri


Nasci em Ituiutaba-MG, no dia 26 de dezembro. Filha de Italo Terêncio José Gentil e de Isolêta de Rosato Gentil. Descendente, por ambos os lados, de família italiana.
Incentivada desde a infância, gosto muito de ler, principalmente as poesias, sendo meus autores preferidos: J.G. de Araújo Jorge, Vinícius de Moraes, Cecília Meireles, Fernando Pessoa, Mário Quintana, Drummond e outros. Casada com José Humberto Sivieri, dois filhos, sendo o primogênito, Giovanni Carlo Gentil Sivieri, casado e com dois filhos. A filha, Ana Cláudia.

Graduei-me em Letras (Português/Inglês) e Pedagogia, sendo pós-graduada em Análise e Produção de Textos e também pós-graduada em Supervisão Pedagógica. Ministrei aulas de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira para o Ensino Fundamental, aposentando-me pela Secretaria de Educação de Minas Gerais . Fui Supervisora de Divisão de Ensino, concursada e aprovada e Assessora Pedagógica da Faculdade de Uberaba. Há um ano mudei-me para a Grande Belo Horizonte - Esmeraldas-MG, onde fico perto de meus netos e dedico-me à poesia. Ainda como professora, publiquei alguns artigos pedagógicos, um livro - que apenas circulou no colégio- pois tratava-se de auxílio aos alunos e professores de outras áreas: FUNDAMENTOS ESSENCIAIS DA GRAMÁTICA. (1987)
Recentemente resolvi publicar minhas poesias, poetrix, contos, crônicas, cirandas e duetos.

MINHA POESIA

É tímida e desponta com embaraço,
Dizendo coisas que às vezes denuncia,
O coração que quer dar aquele abraço e
Se faz de rogado, pois a alma o policia.

Às vezes triste, outras contente e luzidia,
Vai caminhando por esse mundo afora,
Dizendo que todo dia é dia de poesia
E que em nosso coração tudo revigora.

Queria que fosse o bálsamo, não o tormento
Aos duros corações febris e enrijecidos,
Levando paz, amor e muito alento
Que deixasse esses corações agradecidos.

Queria que fosse a minha poesia
Como o raiar de um belo dia.
 

  Queria...
                    Alegria...
                                       Poesia...

           

Ruth Gentil Sivieri

 

 

MEU  PARAÍSO

Olho lá fora e a galhada imensa,
Manacás, rosas, beijos e a azaléia,
Pássaros voando numa pressa intensa,
Onde até os micos fazem assembléia.

Os beija-flores, em um vôo rasante,
Borboletas de uma bela coloração,
Nas lindas asas uma parte cintilante,
Ostentando o milagre da renovação.

E essa paisagem toda colorida,
É refletida no azul intenso da piscina,
Onde as crianças fazem a investida,
E tudo é algazarra e haja adrenalina.

Jabuticaba, limão, abacate, ameixa.
No quintal as frutas bem maduras,
Aonde sempre vão e ninguém se queixa,
Pois saciam e encantam as criaturas.

É aqui onde moro nesse paraíso,
Que à tarde assisto ao pôr-do-sol,
E vejo ainda a lua num sorriso,
Depois, bem depois do arrebol.


Ruth Gentil Sivieri

 


LEMBRANÇAS

Na memória aquele olhar tranqüilo,
Terno e especial, ainda que distante
E que não sei quando irei segui-lo,
Se no céu ou no campo verdejante.

Olhar que diz, sorri e faz pulsar a vida,
Acelerando ainda mais meu coração,
Eternizando essa lembrança tão querida,
Tornando menos triste a aceitação.

Longe daquele imenso céu de outrora,
Ficou gravado o olhar que por momento,
Foi também meu, mas que hoje chora,
Procurando a paz e o esquecimento.

Na grande magia dessa luz sem fim,
Vejo seus olhos como em uma aquarela,
A olhar, a buscar e a procurar por mim,
Nos desenhos de uma grande tela.


Ruth Gentil Sivieri

 

 http://www.ruthgentilsivieri.prosaeverso.net/

 

 

Música: Rose, by Ernesto Cortazar

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®