Maria Regina Moura Ribeiro

Foto tirada em dezembro de 2007.
Cheguei aos meus 63 anos e cada vez mais exibida dos meus cabelos brancos.
Não deixem de ler o atribulado caminho que percorri, até chegar nesta fase maravilhosa de sexagenária.
A Caminho dos 70 Anos. (Clique para saber mais!).

Biografia

Sou gaúcha, nascida em Santana do Livramento - RS, no dia 11 de janeiro de 1945 e tenho uma irmã gêmea chamada Maria Helena. Tenho 7 irmãos, já completei 61 anos, sou casada há 42 anos com o escritor e engenheiro Arnaldo P Ribeiro. Tivemos duas filhas Claudia e Heloisa e agora temos dois netos Nicholas Gaio e Thomaz. Sou Professora, mas o que mais me gratificou foi cursar a faculdade de Psicologia já na fase adulta e ter trabalhado muito em prol da saúde pública. Hoje sou aposentada, e trabalhei muitos anos na PMSP em diversas secretarias, terminando minha carreira na Secretaria da Saúde. Tive consultório e escrevo sobre psicologia até hoje.
Comecei a escrever há seis anos atrás quando fui aposentada por ser portadora de esclerose múltipla. Isto além de sofrer as conseqüências de uma diabetes tipo I.

Maria Regina Moura Ribeiro


OS SEGREDOS DA VIDA


Temos que ter calma
para surpreender.
Esconder parece bom,
mas devemos sempre compreender.
Cuidado ao conceder
e lembre-se de não se conter...
Para nascer, viver ou morrer
é preciso acreditar
que o importante é não sufocar.
Mas, para tudo gozar,
vamos cuidar para o amor não acabar...

Maria Regina Moura Ribeiro
São Paulo 9 de novembro de 2006

 

MEU AMIGO, MEU COMPANHEIRO


Com um amigo dá para o sol sentir,
com a lua adormecer e sorrir.
Sentir a alegria chegar,
a dor sumir e o pranto secar.
Tudo fica claro quando um amigo posso ter...

Quando é preciso, um amigo nos deixa chorar,
para, depois, nossas lágrimas enxugar
e o nosso lamento atentamente ouvir.
Tudo fica ameno quando um amigo posso ter...

Tendo um amigo, reparto com ele meu sofrer
e recebo o seu "consolar".
O que é meu posso com ele dividir
e o que é dele contente vou aceitar.
Tudo ficará ameno quando este amigo encontrar.

Maria Regina Moura Ribeiro
São Paulo, 21 de julho de 2007

 

SENHOR INFORTÚNIO, DONA INFELICIDADE E SENHORA TRISTEZA

Senhor Infortúnio, Dona Infelicidade e Senhora Tristeza,
meus velhos amigos.
Amizade de longa data...
Conheço bem os três,
mas ainda não tenho
opinião formada sobre eles.
Não sei foram bons ou ruins esses conhecimentos.
O que sei é que me tornaram uma pessoa forte,
segura, madura e responsável desde os meus 10 anos.
Conhecê-los bem me permitiu ser assertiva,
ter capacidade de me virar sozinha.
Mas isso terá sido bom ou ruim?
Mas que importância tem isso agora?
Acho que tem muita, mas muita mesmo...
O passado serve de experiência para o futuro.
Não devemos deixar um erro se perpetuar
e muito menos se repetir.
Filhos têm que ser amados, amparados,
acarinhados, alimentados, entendidos.
Devem ser felizes e alegres e, se possível, afortunados.

Maria Regina Moura Ribeiro
São Paulo, 13 de julho de 2007

TROPEÇO

Tropeços na vida tive muitos, me serviram como ensinamentos.
Aprendi cedo que amor de mãe é privilégio de poucos,
mas sobrevivi amando meus 7 irmãos.
Aprendi mais tarde que viver de mudança a cada três anos
é prejudicial para a socialização, mas o que fazer então?
Resolvi a tudo enfrentar,
tropeçar sem medo de cair,
levantar, gritar ou chorar,
amar ou odiar, mas interagir...
Hoje, tropeço mas não sofro,
caio mas levanto e...
não tenho medo de tropeço.

Maria Regina Moura Ribeiro
São Paulo, 23 de abril de 2008

 

http://www.corujando.com.br/

 

 

Música: Ballade No 1 in G Minor Op. 23, by Chopin

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®