Darlan Alberto T. A. Padilha

Dimythryus

DIMYTHRYUS é o heterônimo Usado pelo poeta Darlan Alberto T. A. Padilha, estudante de Letras, que iniciou sua carreira poética a partir dos 16 anos com seu poema intitulado Emmille, publicado pela primeira vez no jornal de Itaquá em 1999. Possui diversos Prêmios Literários além de publicações em antologias inclusive pela Editora Litteris. Em maio/06 em ocorrência do Concurso de Poesia Mário Quintana (Nova Friburgo – RJ) Fora convidado a fazer parte do site Blocos On-line dirigido por Leila Míccolis; que em Janeiro/07 o convidou a fazer parte da segunda edição de sua antologia on-line “Saciedade dos Poetas Vivos”. No ano passado alcançou o 1º lugar no V Concurso Literário Brasileiro na Europa – Genebra – Suíça com a obra intitulada “Palavras mágicas”. 2º lugar no “Concurso de Poesia e Crônicas – Centenário de Mendonça Júnior – (1908 - 2008) – Maceió - AL..


As Margens do Tejo


Tejo, ondas que o mar revela
Refresca meu rosto
Aos pés desta donzela.

Tejo, ondas que o mar desvela
Enxuga minhas lágrimas
Na carência de minha amada.

Ai Tejo, meu Alentejo...
És meu amigo?
Então por que há de me negar um beijo.

Ai Tejo, meu Alentejo...
Se percebestes quem eu vejo
Cegas-me à vista nas águas de teus beijos.

Dimythryus
18/03/07
21:15hrs.

 

NEGROS ESCURECIDOS

Pretos o chão da África escurecida
Dos corpos pretos enfraquecidos
Das noites negras
Dos negros vivos
Ainda que mortos
Vivos
Na pretitude da dor
Vivos
Ainda que negros
Escurecidos
Sob terras pretas entristecidas.

Pretos ainda que negros escurecidos
Sob terras pretas enegrecidas
Negros de negros olhos entristecidos
Sob mortos corpos que sobrevivem.

Negros ainda que distantes
Ainda que esquecidos
Sob terras secas enegrecidas
De secos olhos endurecidos.

Negros, ainda que duros, frágeis
Negros, ainda que vivos, mortos
Ainda que negros, escurecidos.

Dimythryus

23h45m
08/09/2006

 

LÂNGUIDO SORRISO

Meus lábios se distendem incontíveis
E a isso chamam sorriso
O meu sorriso é lágrimas
Distúrbios que frêmitam sob o corpo
A minha face aflora um falso sorriso.

Um sorriso descontrolado
Nervoso e lânguido
Que o olhar despercebido
Tende a assimilar como alegria.

Meu sorriso é choro
Lágrimas de um instante verdadeiro
É a contradição do ato e seu sentido
Um descuido que um olhar atento reconhece.


Dimythryus

13-03-08
UNIESP

 

http://www.meiotom.art.br/darlanpo.htm
http://www.blocosonline.com.br/literatura/poesia_inicio.php
http://www.gargantadaserpente.com/toca/poetas/dimythryus.php

 

Música: Träumerei, by Robert Schumann

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®