Antonieta Elias Manzieri


Meu nome é Antonieta Elias Manzieri, paulistana, do signo de Áries, do dia 16 de abril. Vivi e trabalhei em São Paulo como modista de alta-costura até o ano de 2.000. Viemos residir na cidade de São Pedro, interior de São Paulo, porque meu marido, depois de aposentado, queria um lugar mais tranquilo para vivermos. Fiz dois cursos de cromoterapia, sem no entanto exercer esta profissão. Escrevo desde a infância, época em que participava com pequenos trabalhos literários nos grupinhos do colégio. Tenho poucos poemas dessa época, pois, levada pela timidez, escrevia, rabiscava tudo e jogava fora meus escritos. Alegre e descontraída, gosto muito de pintura, música e longas caminhadas. Sou amante da natureza e dos animais e tenho dois fiéis companheiros, Lion e Pitoko, com os quais aprendi muito! Minhas preferências são: Filme, Cinema Paradiso; flor, margarida; cor, o vermelho; um lugar para morar, o litoral; e paixão maior, escrever. Pertenço aos "Academicus Praeclarus do Clube dos Escritores de Piracicaba". Tenho alguns prêmios a nível nacional/internacional, participação em vários E-books e Antologias, seis livros virtuais editados por www.delnerobookstore.com
Meus agradecimentos à querida Lígia Tomarchio por tão honroso convite.

*Em 11 de junho de 2011, nossa querida poeta e amiga, deixa a todos familiares e amigos saudosos. *

Imprevisto

Há coisas que acontecem inesperadamente,
e tardiamente modificam nossas vidas.
Depois de tantas experiências já vividas,
eis que voltamos a sonhar novamente.

Ah! Se eu te conhecesse noutro tempo,
viveria contigo todos os meus sonhos,
os desejos, quando fito os teus olhos,
que docemente em meu coração acalento.

Quero te amar com meus desvarios,
com teus desatinos, me ama, meu bem...
Não despertarei, não despertes também,
mesmo que seja por instantes fugidios.

Não será pecado, será uma doce loucura,
ele é infinito como o céu que nos abriga.
Está além do bem, do mal ou da intriga,
não o deixe escapar pelo temor da censura.

Deixa-o seguir como um rio caudaloso
marca seu curso e delineia seu leito.
Para que não seja mais um sonho desfeito,
ele nos traz tranquilidade, embora sinuoso...

©Antonieta Elias Manzieri

 

AH, MEU POETA...

Há muito que me fazes viajar
por caminhos que desconheço,
mas que tenho em grande apreço,
mesmo sem conhecer o lugar...

Ah, meu poeta, quisera eu
poder cobrir-te com tantos beijos,
satisfazer-te todos os desejos
e saber-te somente meu...

Ah, meu poeta, se eu pudesse...
soltaria as amarras que nos prendem
nesta vida em que nos maltratam.
Seguiria contigo para onde tu quisesses.

Mesmo sabendo que o risco é iminente,
mas qualquer coisa é melhor nesta vida
em que a felicidade nos é proibida
e julgam nosso amor insensato, incoerente.

Ah, bem que poderíamos, meu poeta,
transmudarmos a outra esfera ou planeta
onde não usassem a hipócrita etiqueta
da inexistente moral, ou da falsa ética.

Ah, meu poeta, meu poeta! Quem dera...

©Antonieta Elias Manzieri

 

QUANTOS PORQUÊS...

Por que me incita esta vontade louca
de beijar tua boca, se nunca te senti?
Por que sempre me esquivo
e quando estou contigo,
finjo nada sentir?

Ah, coração, por que se apaixonou?
Sabes que não és correspondido,
mas insistiu, foi atrevido.
Agora junta os cacos
do que te restou...

Indago-me em vão, inutilmente,
os porquês que me trouxeste.
Quantos sonhos fugidios,
iguais a um sol de estio,
depois que te conheci...

Coração, por que finges não entender?
Maltrata-me com teus ímpetos.
Erras, e quem sofre sou eu!
Entende de vez, coração,
acostuma-te à solidão...

©Antonieta Elias Manzieri

 

http://www.delnerobookstore.com/bibliotecas_virtuais/antonieta_manzieri/index.htm

 

 

Música: Tristeza,Separação, by Astor Piazzolla

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®