Andréa Motta


ANDRÉA MOTTA
É brasileira, natural da cidade de São Paulo.
Geminiana, reside em Curitiba.
Paranaense de coração orgulha-se deste Estado que a acolheu desde a mais tenra idade
Solteira por opção, tem um filho.
Se pudesse ela viveria junto ao mar, adora a natureza, filosofia, história, fotografia.
Suas grandes paixões são indiscutivelmente seu filho, o Direito e a Poesia.
Seus textos podem ser encontrados no site e blog Jardim de Poesia.

Incorporeidade

se não fosse frágil
a face oblíqua
do silêncio
seria breve

tão breve quanto
os tremores da tua voz

se não fosse indelével
o encontro
do sorriso
seria porto

ocasional
entregue à fúria dos teus olhos

se não fosse magnética
a beleza
da palavra
seria carícia

prazerosa
a renascer em cada dia

 

Andréa Motta

 

Viagem

Para Deisi Giacomazzi da Silva

O tempo não leva embora
o que ficou marcado
no fundo da memória

é emboscada
é maciez
é algo inesperado

estremece prateleiras e adegas
desenha palavras raras
na trama do dia-a-dia

O tempo é o que contem
e o que se esconde na anima
É feito névoa seca no horizonte

com seus acordes dramáticos
sensibiliza o paladar
nos caminhos do imaginário

A saudade, ora a saudade
chega feito tempestade
com sabor de chocolate.


Andréa Motta


Inundação

Subterrâneos em Cora.
palidez de romãs
paralelo distante

ao temor arraigado
na liberdade
do vôo rasante

da plenitude
à voz do sonho.
Morte aos morfemas.


Andréa Motta

http://jardimdepoesia.blog.uol.com.br/

 

Música: Rhapsodie Pour Deux Voix, by Danielle Licari

 

 

Voltar Menu

 

Art by Ligi@Tomarchio®